Whats: (11) 99727-6100                      Seja Bem Vindo a nossa Loja!!

CAL-MAG VIVER: O CÁLCIO MAGNÉSIO QUE ACABA COM SEUS PROBLEMAS ÓSSEOS

Mais Imagens

CAL-MAG VIVER: O CÁLCIO MAGNÉSIO QUE ACABA COM SEUS PROBLEMAS ÓSSEOS
R$83,99

Disponível: Em estoque

Auxilia na reposição da cartilagem óssea e elimina artrite, artrose, osteoporose e fortalece a musculatura do coração. 

Ou pague em até 18 x de R$ 6,10 com juros (Total a prazo R$109,83)
1 x de R$ 83,99 sem juros10 x de R$ 9,84 com juros
2 x de R$ 43,89 com juros11 x de R$ 9,07 com juros
3 x de R$ 29,69 com juros12 x de R$ 8,43 com juros
4 x de R$ 22,59 com juros13 x de R$ 7,89 com juros
5 x de R$ 18,34 com juros14 x de R$ 7,43 com juros
6 x de R$ 15,50 com juros15 x de R$ 7,03 com juros
7 x de R$ 13,48 com juros16 x de R$ 6,68 com juros
8 x de R$ 11,96 com juros17 x de R$ 6,37 com juros
9 x de R$ 10,78 com juros18 x de R$ 6,10 com juros
OU
Descrição

Detalhes

FONTE DE CÁLCIO, MAGNÉSIO E VITAMINA E.

O Calmag é um suplemento mineral de Carbo- nato de Cálcio e Magnésio, importante para a formação óssea e dos dentes, auxilia o desen- volvimento muscular e cardíaco. Esta combina ção especial de nutrientes, favorece especial mente as mulheres que estão na menopausa, quando sofrem os efeitos negativos da desmi- neralização óssea ( perda de massa óssea ), causada pela redução da taxa de hormônios sexuais. Comece a investir agora mesmo em estilo de vida saudável com Cal+Mag 20.12 associado a exercícios físicos para melhorar sua qualidade de vida com saúde e força por muito mais tempo OSTEOPOROSE

A osteoporose ocorre quando a massa total do osso diminui, o que o torna quebradiço e frágil Nas mulheres, é uma enfermidade comum de- pois da menopausa

Os sintomas são: tendência às fraturas, dor ao redor do osso e redução da altura do osso. Esta enfermidade se apresenta mais em mulheres que têm 30 % a menos de massa óssea. Ocorre a partir dos 40 anos em diante e afeta em torno de 25% das mulheres após a menopausa. As causas mais frequentes são: 
1- incapacidade para que se absorva a quantidade suficiente de cálcio pelos intestinos. 
2-Um desequilíbrio da relação fósforo-cálcio. 
3- deficiência de estrógenos( hormônios) nas mulheres, falta de exercícios e de vitamina D necessária para a absorção do cálcio.

Garanta sua dose de cálcio e emagreça Ele reduz os depósitos de gordura do corpo. Conheça os mecanismos por trás desse efeito e aprenda a tirar proveito do mineral que também afasta o câncer, controla a pressão e fortalece os ossos.

O cálcio é o mineral mais comum e abundante no corpo e é encontrado principalmente nos ossos e dentes, e em quantidades bem menores também no sangue e tecidos moles. Nossos ossos são feitos de cálcio e fosfato, e quando eles ficam frágeis, principalmente por falta desses elementos e também de vitamina D, que é a precursora do elemento, é causada a osteoporose, que também pode ser causada por fatores hereditários, falta de exercícios físicos e fatores hormonais. Por isso é necessário à prevenção dessa doença ingerindo as doses necessárias diárias de cálcio através da alimentação.

A vitamina D é quem ajuda o organismo a absorver ao máximo o cálcio, e esse, por sua vez, ajuda a vitamina K com a função de coagulação do sangue, nas funções de regulação da pressão sanguínea e pode ser útil também na redução da hipertensão moderada, funções de muitas reações das enzimas dentro e fora das células, funções de condução de impulsos nervosos, na secreção hormonal, e na contração do coração. Além disso, ele interage com zinco, magnésio, vitaminas D e K, ajudando a limitar a absorção de chumbo pelo organismo.

Foi por obra do acaso que pesquisadores da Universidade do Tennensse, nos Estados Unidos, descobriram, no final dos anos 1990, a íntima relação do cálcio com a perda de peso. Na verdade o que eles pretendiam era entender melhor a atuação do mineral no combate à hipertensão. Só que, então eureca! , verificaram nos participantes do estudo uma surpreendente redução de quilos, além da já esperada queda na pressão arterial.

Depois disso muitos trabalhos vieram à tona para corroborar a tese da ação antiobesidade. Faltava apenas fugir do terreno das hipóteses e chegar a explicações mais consistentes. A investigação andou a passos largos e hoje já não há tantos mistérios sobre os mecanismos envolvidos nessa história.

“O cálcio interfere no desenvolvimento dos adipócitos, as células de gordura", resume a nutricionista Mariana Del Bosco, que anda estudando o assunto na Universidade de São Paulo (USP).

Esmiuçando um pouco mais: ele bloqueia enzimas envolvidas na formação desse grupo celular. Experimentos demonstram que, na falta do nutriente, ocorre um desequilíbrio. Resultado: os adipócitos incham e o ponteiro da balança dispara. Outra ação do cálcio contra a obesidade aparece em um estudo europeu. Pesquisadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, comprovaram que alimentos ricos no mineral brecam a absorção da gordura vinda das refeições.

Em outras palavras, parte das moléculas engorduradas é varrida para fora do organismo na digestão, o que impede seu acúmulo. Para completar, há evidências de que o mineral atue no aproveitamento da insulina hormônio fundamental na regulação do metabolismo e da própria fome. Seu excesso na circulação contribui para o armazenamento de energia na forma de gordura, o que, óbvio, leva ao aumento do tecido adiposo. Ou seja, se falta cálcio a barriga salta aos olhos e os pneus dão o indesejado ar da sua graça.

CÁLCIO - FONTE PARA EMAGRECIMENTO

Fazer severas restrições alimentares não é a melhor estratégia para eliminar os quilos indesejáveis. É que muitas vezes, na ânsia de afastar calo rias, deixa-se de ingerir fontes de vitaminas e minerais que acionam o metabolismo — sim, alguns deles também têm essa missão. O grande risco, então, é ganhar peso. Ou, no mínimo, estacionar no peso. “Esses nutrientes ativam enzimas, regulam a produção de insulina, agem nas células de gordura e participam de outros processos metabólicos”, explica a nutricionista carioca Andréa Ramalho, autora do livro Fome Oculta, que acaba de ser editado pela Atheneu

Os ligados em nutrição na certa já ouviram falar em fome oculta e na sua relação com a fadiga. Ela é aquele estado em que o nutri ente está em fal ta, mas o corpo ainda não manifesta sinais de carência pra valer. Todos também sabem que dietas rigorosas abalam nossos estoques e requerem suplementação de nutrientes, “caso o consumo diário de calorias fique abaixo de 1 200”, como faz questão de ressaltar o endocrinologista Marcio Mancini, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, em São Paulo. O que é absolutamente novo é o elo entre o déficit nutricional e a balança, que esmiuçamos aqui. Conheça agora os nutrientes que colaboram com a boa forma.

VITAMINA A (4)

Ela não é mineral, claro — e minerais são os nutrientes mais envolvidos nessa história —, mas quando falta, a barriga de chope desponta. “Isso por que a vitamina A regula genes que atuam na formação de células de gordura, os adipócitos”, explica Andréa Ramalho. Ou seja, sua deficiência faz com que nosso DNA ordene a formação de depósitos gordurosos. Pior: na ausência do nutriente, que responde também pela morte progra mada dos adipócitos, eles aumentam de tamanho e vivem mais. Hoje se sabe que essa vitamina ajuda a aplacar a fome exagerada e, consequentemente, evita que você cometa excessos calóricos. “Isso porque ela estimula a produção de leptina, o hormônio da saciedade, fabricado no próprio tecido adiposo ”, afirma Andréa.

Segundo a nutricionista, para completar, a substância ajuda à beça os que já apresentam um sobrepeso, já que os quilos extras sempre disparam uma maior produção de radicais livres, que danificam as células. E a vitamina A, com potencial antioxidante, combate esses agentes nocivos. No de licado mecanismo de mineralização óssea não há espaço para desfalques nutricionais. Tanto isso é verdade que qualquer desequilíbrio nas doses de vitaminas e sais minerais já pode comprometer a ossatura. Infelizmente, segundo um estudo pioneiro relacionando a alimentação do brasileiro e a saúde dos seus ossos, nem sempre o que a população põe no prato contém os nutrientes que afastam fraturas.

Realizado por pesquisadores da Uni versidade Federal de São Paulo (Unifesp) em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), o Brazilian Osteoporosis Study, ou BRAZOS, é um dos vencedores da segunda edição do PRÊMIO SAÚDE!. Em todos os cantos do Brasil seus dados apontam para a deficiência de nutrientes inclu- sive na dieta de quem não tem problema para abastecer a casa, ou seja, pessoas de classes A e B. Analisamos o cardápio de 2 420 adultos das cinco regiões do país, conta o reumatologista Marcelo Pinheiro, da Unifesp, que é líder do trabalho.

Observamos um baixo consumo de laticínios , peixes e vegetais, resume. E, quando o cardápio não contempla esses alimentos, fica difícil alcançar a recomendação para minerais como o cálcio e o magnésio e as vitaminas D e K. Apenas os níveis de fósforo outro mineral que previne a perda de massa óssea estavam o.k., sendo à exceção da pesquisa. Pinheiro conta que o BRAZOS foi criado com a intenção de verificar os fatores de risco relacionados à ostoporóse, tida como um problema de saúde pública. Estimativas indicam que a doença atinge 25% das mulheres com mais de 50 anos e 13% dos homens de, pois dos 70. Para não engrossar essa estatística a prevenção por meio de dieta é essencial.

MAGNÉSIO FONTE PARA :

É a chave do aproveitamento de energia, resume a nutricionista Cristiane Sales, que investiga o mineral na Universidade de São Paulo. O magnésio é um dos principais fatores de ativação de receptores de insulina, o hormônio que converte açúcar em ener -gia e o coloca dentro da célula. Sem ele, o carboidrato sobra no sangue e não é aproveitado direito. Ou seja, es- se nutriente é essen- cial para afastar o diabete e a própria síndrome metabó lica. Para reforçar a lista de benefícios, um novo estudo comprova que o déficit desse nutriente acelera o envelhecimento. Em meios de cultura com diferentes quantidades do mineral, deixamos que células hu- manas se dividissem por três meses. Nos ambientes com deficiência, o desgaste foi mais acelerado, descreve David Killilea, um dos autores. O magnésio regula enzimas, estabiliza o DNA das células e as protege de agressões, justi fica. O mineral também atua na absorção de cálcio, na atividade neuromuscular e no equilíbrio de potássio, importante para as funções cardíacas. Bem que a gente gosta quando ele bate acelerado. Só que, longe do mundo das emoções, o ideal é que o coração mantenha sempre o mesmo rit mo. Em termos médicos, quando o bati- cum dispara ou reduz a marcha inesperadamente, para menos de 50 ou mais de 100 batimentos por minuto , é sinal de que existe uma arritmia. Algumas delas são congênitas, outras estão ligadas ao uso excessivo de certos medicamentos e, por incrível que pareça, também podem ser desencadeadas pela falta de magnésio no corpo. É que esse mineral participa das contrações do miocárdio, o mús culo cardíaco.

"O coração possui um complexo sistema elétrico responsável por suas contrações", afirma o cardiologista Enrique Pachón, do Complexo Hospita- lar Edmundo Vasconcelos, em São Paulo. "Ele apresenta um sistema condutor dos sinais elétricos, que os distri- bui a todas as células cardíacas de forma rápida e uniforme." É aí que entra o magnésio: para gerar o sinal, as células precisam de minerais como fósforo, potássio, cálcio e genero sas doses de magnésio. Sem algum deles, aumenta o risco de os batimentos ficarem irregulares. E essa simples irregularidade pode se tornar crô nica.

"As primeiras alterações no miocárdio são assintomáticas, mas com o tempo culminam até mesmo em uma parada cardíaca", alerta o cardiologis ta Ricardo Gusmão, do Hospital Barra D’Or, no Rio de Janeiro. "Muitas arritmias provocadas pela falta de mag nésio podem ser súbitas e fatais, prin cipalmente em indivíduos com histórico de problemas no coração", justifica o alarme o cardio logista José Luís Aziz, da Faculdade de Medicina do ABC, na região metropolitana de São Paulo. Ao mesmo tempo que é impossí vel prevenir todo e qualquer tipo da doença, é, sim, viável evitar as arrit mias que têm como estopim a carência nutricional de mag nésio no organismo. É o que mostra uma pesquisa da Universidade Harvard, nos Estados Unidos.

De acordo com o estudo de Harvard, pessoas que consomem pelo menos 300 miligramas de magnésio diariamente têm 37% menor risco de morte súbita — que é a agressão máxima provocada pela falta de sincronização dos ritmos do peito. "Muitos descom passos do coração são transitórios e espontaneamente reversíveis. Porém, na ausência de magnésio, podem ser mais demorados ou permanentes", esclarece o cardiologista Aloyzio Achutti, do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

BALSAMO VIVER

Mais da metade da população sofre de retenção de gases e problemas intestinais inclusive as mulheres, são vários os motivos que tornam o intesti- no “preguiçoso”, a dificuldade de ir ao banheiro para algumas pessoas é enorme e isso gera muitos danos a saúde, para manter o intestino no ritmo é preciso se aliar a alguns alimentos que atuam principalmente no sistema gástrico ajudado a melhorar o funcionamento do intestino, porém apenas se alimentar com este tipo de alimento pode não ser a solução, o mais correto para garantir a seu intestino a regulação é unir alimentos ricos em fibras juntamente com ingestão de água e outros líquidos e para concluir a união de novos hábitos alimentares para ter melhor funcionamento gástri co é a prática de exercícios físicos diários. Alguns fatores estão ligados a este mal, como a depressão, enxaqueca, problemas no sistema nervoso, problemas de coração, alteração na rotina, algum trauma, mudança de horário, irritabilidade, insônia, entre outros que podem ser responsáveis pelo “transito” intestinal.

O Balsamo Viver - Gotas Preciosas é uma fonte de Ácidos Graxos Poli-in-saturados e rico em Ômega 3,6 e 9, que auxiliam a redução do coleste rol ruim LDL, aumenta o colesterol bom HDL e previne a arteriosclerose. O Bálsamo Viver contém grande quantidade lignina ( Fibras) que ajuda nos casos de prisão de ventre, facilitando a atividade laxante do intestino. Contém Fitoestrógenos, substância que melhora a absorção de Cálcio, prevenindo os casos de osteoporose. O consumo do Balsamo Viver, contribui para a manutenção de níveis saudáveis de triglicérides desde que associado a uma alimentação equilibrada e hábitos saudáveis. Aumenta o colesterol bom (HDL) e diminui o colesterol ruim (LDL).

O Bálsamo Viver contém grande quantidade lignina (fibras),que favorece o efeito laxante. Atua diretamente no sistema circulatório. Ômega-3, Ômega-6 ( GLA, Ácido Linoleico), Ômega-9 ( Ácido Oleico)

Recentemente pesquisadores descobriram que a ingestão diária de um grupo de ácidos graxos polinsaturados chamados Ômega-3, traz grande beneficio à saúde, principalmente ao sistema cardiovascular, prevenindo problemas de origem cardíaca e circulatória como ateroscierose, a pressão arterial alta, o infarto e a embolia. Existem outros dois conjuntos de óleos englobados nos nomes de Ômega, Ômega-6 e Ômega-9, que junto com Ômega-3 têm grandes propriedades terapêuticas.

O ômega-6 ( composto por GLA, óleo de ácido linoleico extraído da erva borracheira-gama, é um ácido graxo essencial e indispensável ao corpo hu-mano e que tem que ser ingerido, já que o corpo não produz.

Comentários

Tags do Produto

Use espaços para separar as tags. E aspas simples (') para frases.